sábado, 13 de fevereiro de 2010

.Sentiam-se em grande dúvida de que pudessem amar de tal maneira.

Com o rápido impulso da juventude, elas se reprovaram terminantemente, concluindo que eram vãos todos os seus esforços de liberdade: quer por fora, quer por dentro, o longo cativeiro as corrompera.


Woolf, V. Phyllis e Rosamond. (in) Contos completos. SP: Cosac Naify, 2005. (p.24)

Um comentário:

Jovem Escritor disse...

De que adianta

De que adianta sacrifício sem a fé?
De que adianta luta sem discernimento?
De que adianta lágrimas sem sofrimento?
De que adianta dor sem motivos?
De que adianta...?
De que adianta ter tudo sem ter nada?
De que adianta querer tudo para ter nada?
De que adianta sonhos vazios sem propósitos?
Apenas nos perguntamos, pois as resposta
Todos nós buscamos.
De que adianta nascer se não sonhamos?
Apenas o coração pode responder,
Pois tais perguntas são de extrema importância para a vida.
de W.Monteiro


preferi postar um de meus pensametos que sitei em meu blog como comentário.


"A solidão me segue como minha sombra.Só ira separa de mim quando mim mesmo encontrar a verdadeira luz"



Obrigado pela atenção, Jovem Escritor.