quinta-feira, 4 de abril de 2013

.Sei que não preciso me inquietar, que sempre sobrevivo a luta.



Só falta dizer que eu me redescubro na sua postura, na sua bravura e na sua eloqüência. Claro que há vida depois da agonia, e que a roda se reinventa aos poucos, agora escrita pelas minhas mãos, e claro que tudo isso é você quem conduz. Seu olhar terno e seus dedos finos, sua altivez e inteligência. Sua camisa bem passada e seus passos lentos. Seu tudo nada e minha eterna inquietação antes de te ver. Sua saia mulher, seu perfume ralo. Se não te tenho te busco, se te esqueço te desenho em mim, se te perco me aventuro nas mais ousadas investidas até te encontrar. Eu morrendo antes das suas palavras. Seu modelito impecável, seu cabelo engraçado, sua risada velada, quanto amor. Àquela luz que você me transfere sem eu pedir, tudo isso está gravado aqui. Todos os sim e de acordo que demonstro com meus gestos, todas as aprovações, nunca questionadas. Você, você. Seus elogios que hoje me deram 3 metros de altura e fez gelar meu espumante. Você em mim. E eu menor, eu nada, eu pouco, antes de ti.
LG

Um comentário: