segunda-feira, 22 de março de 2010

.Nada em ti é penumbra, viva iluminada,




E tu uma ternura sobre os meus ossos, uma redondez sobre os espinhos, um luxo de carícias.


H.H

2 comentários:

Tali disse...

"Retórica dos namorados, dá-me uma comparação exata e poética para dizer o que foram aqueles
olhos de Capitu. Não me acode imagem capaz de dizer, sem quebra da dignidade do estilo, o que
eles foram e me fizeram. Olhos de ressaca? Vá, de ressaca. É o que me dá idéia daquela feição
nova. Traziam não sei que fluido misterioso e enérgico, uma força que arrastava para dentro, como
a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca. Para não ser arrastado, agarrei-me às outras
partes vizinhas, às orelhas, aos braços, aos cabelos espalhados pelos ombros, mas tão depressa
buscava as pupilas, a onda que saía delas vinha crescendo, cava e escura, ameaçando envolver-me,
puxar-me e tragar-me. Quantos minutos gastamos naquele jogo? Só os relógios do céu terão marcado
esse tempo infinito e breve."

p. Trv disse...

Quero saber quando iremos viajar!