segunda-feira, 4 de agosto de 2008

.Passou o tempo de forma singular.

Acordar pela manhã sempre garante ao dia um parecer amplo, daqueles que nasce com o sol e deita a hora que aprouver. Escapar do coloquial deveria ser obrigatório a qualquer ser, mesmo que para isso devesse mover os mais difíceis grilhões que o cercam. De amarras apertadas já nos fartamos, mesmo assim a vida humana insiste em se fechar em casulos e dar os punhos as algemas.

Perdi tempo esses dias com coisas que no momento me parecem inúteis. Perdi tempo! Hoje, como muitas pessoas, estou em um bolo que gostaria de voltar a traz por alguma coisa, precisei outrora de mais tempo pra mim e não o tinha. Quem sabe o tempo ainda prepare outras oportunidades, ou mesmo me ensine alguma outra lição. Entretanto existe um erro. Esperar do tempo tira do sujeito toda arbitrariedade, como esperar de algum ser onipotente também nos deixa inerte. Sabe uma coisa? Eu não espero nada do tempo! A única coisa que espero é aprender as lições com a vida de uma maneira não muito dolorosa.

Depois de aprender com a vida, certamente vou catalogar ao tempo as tarefas que ele terá que cumprir e organizá-las como se fosse um formulário (para não esquecer nenhuma). Assim, quando pudermos adiantar ao tempo nossos roteiros, antes que o mesmo decida para qual lado vai nos mandar, estaremos como senhor de nós mesmos. E se caso algo nos escapar, quando surgirem às situações inesperadas, não haveremos de nos preocupar, pois o tempo é nosso servo.

E independente da estação, das flores no caminho ou dos ventos de outono, o ser humano nunca deve se entregar, pois não importa em que eixo ele esteja contido e qual a fase que esteja passando, importa que saiba a hora e a maneira exata para se retirar sem conseqüências irreversíveis. E com isso, caso o homem soubesse quão grande é a sua liberdade e quão belo é o tempo (quando não se espera nada dele) aprenderia a: não criar senhores para se submeter, seja esse um Estado ou um Deus, ou qualquer outro sujeito que a mente humana dotou de poderes que ela própria não conseguiu superar.

lg

2 comentários:

Paty disse...

O ser humano é algo envolvente mesmo, vc é muito envolvente com a escrita, um texto digno de releitura. Te adoro Lu.

Anônimo disse...

Gostei de ver que o texto acordou juntamente comigo, esse veio cedo da terra que sempre desperta depois do meio do dia.