sexta-feira, 27 de junho de 2008

A descoberta do amor

Já então eu me transformara numa mocinha alta, pensativa, rebelde, tudo misturado a bastante selvageria e muita timidez. Antes de me reconciliar com o processo da vida, no entanto, sofri muito, o que poderia ter sido evitado se um adulto responsável se tivesse encarregado de me contar como era o amor. [...] Porque o mais surpreendente é que, mesmo depois de saber de tudo, o mistério continuou intacto. Embora eu saiba que de uma planta brota uma flor, continuo surpreendida com os caminhos secretos da natureza. E se continuo até hoje com pudor não é porque ache vergonhoso, é por pudor apenas feminino.
Lispector

Um comentário:

Doce disse...

não acho que o mais interessante em uma pessoa seja as causas que ela defenda ou até oque ela discursa.
Muitas vezes o mais perfeito é ver alguém que se comporta e sente tudo de acordo com a sua essência e que viva defendendo seus valores mais intimos com a garra e a confiança de que valem a pena.