terça-feira, 24 de novembro de 2009

.Uns poucos traços, certos desvios e alguns acontecimentos difusos.

Quando lia um livro, a biografia de alguém famoso, perguntei-me: então é isto que o autor chama a vida de um homem? (Como se soubessem realmente algo dela, quando até mesmo eu, muitas vezes, penso que nada, ou pouco sei, de minha verdadeira vida).

3 comentários:

Anônimo disse...

Pouco sabemos de nossas vidas... pouco sabemos...

Por isso agimos como "loucos" (no bom sentido, é claro)...

SIM... eu recomendo... façamos tudo o que der vontade... pois ou a vontade aumenta... ou simplesmente vai embora...

E sobra sempre aquele arrepio no fim da noite....

suelen folego disse...

"A gente nem sabe que males se apronta.
Fazendo de conta, fingindo esquecer
Que nada renasce antes que se acabe,
E o sol que desponta tem que anoitecer."

p. Trv disse...

"Ler é sonhar pela mão de outrem. Ler mal e por alto é libertarmo-nos da mão que nos conduz. A superficialidade na erudição é o melhor modo de ler bem e ser profundo."

Aqui o anônimo se fez importante