quarta-feira, 3 de junho de 2009

.Um caso complicado de se entender.


Capricho. “Levado pela vontade esquisita de descascar uma ferida, como se a dor renovada me pudesse fazer certificar quão imensa era de fato a mágoa com que me devia entreter.” [...] “Tudo perdia a eternidade e a certeza; num ufo, num átimo, da gente as mais belas coisas se roubavam.” [...] “E o que somos senão a ventania de dores e amores, noite e dia?”



É o constante sentimento de tudo doer e não ter pensamento, nota, música, filme, qualquer expressão artística que o valha, um quadro talvez, uma pintura, um poema, nada. Tudo definha, se esvai, e os significados se corrompem. Pois o que se sabe do amor? Apenas sabemos pouco do não-amor, quando esse se manifesta nas dores mais arrebatadoras e desumanas, do sofrimento da cabeça que corre o peito, sufoca os pulmões e vai se alastrando até gelar a ponta dos pés. Onde está à pureza nisso, onde está a beleza dessas trocas?


Lg

12 comentários:

Rafa disse...

Você é minha doce amada, minha alegria, meu conto de fada, minha fantasia, a paz que eu preciso para sobreviver. Só depois da Bethânia cantando eu fui dar valor nesses versos, “sem você tudo é saudade, você trás felicidade” que lindo isso. Queria achar o vídeo com ela cantando. Ta tudo bem com você florzinha? To te sentindo triste, me liga qualquer coisa.

Rafa disse...

Lindo suas citações e seu texto. Amo-te.

Anônimo disse...

Nossa gostei bastante da musica na voz da bethânia tbm, só conhecia com aqueles sertanojos credo, por isso que eu nunca deixo de passar por aqui. Gostei do texto e gostei muito das partes em negrito. Bjo.

Anônimo disse...

Calma Lu, ele volta!

Rafa disse...

Quem volta? Odeio imbecis que não entendem o contexto, não tem ninguém aqui choramingando, não prestou atenção que está sendo discutido o amor e a dificuldade de se manter ele?

Anônimo disse...

Não discuto com pessoas que usam gerúndio. hauhauahuauhauhu

Aspone disse...

Seus textos andam meio tensos, pesados, céticos. Continuo gostando deles, mas estão assumindo uma característica diferente, até mesmo de discurso, mas nao de estrutura.
Mas que seja, nao vou interferir mto, só queria corrigir um erro.
Aquele post que vc leu, não é do música q eu tinha falado, aquilo é um poema meu do ano passado, que respostei em minha homenagem ao meu aniversario. Nunca pensei em cantar esse e nem pretendo.
http://encantosemcontos.blogspot.com/2009/05/ve-voce-nao-esta-aqui.html
essa é música q eu falei e pretendo postar em breve um video em q eu canto ela. Mas por enquanto é só a letra mesmo, sem algumas alterações que eu fiz.
Caso tenha interesse, num dos ultimos post tem um "soneto" q eu fiz e resolvi cantar. Tem letra e video.
Qnto há um aparente momento de turbulência que vc está passando, a unica coisa q eu posso dizer é: Fé.
Pode parecer bobo, mas vc me disse q acreditava e sentia.

Aspone disse...

tá cheio de erros meu comentário, mas é q eu voltei agora a pouco de uma comemoração!
Talvez vc entenda essas situações!

Lg. disse...

eu disse que acreditava e sentia a Fé? Nunca disse isso!

suelen folego disse...

Bisogna: "Curare l'anima con i sensi, e i sensi con l'anima"

Aspone disse...

Não, vc disse que acreditava e sentia o amor.
Minha sugestão de fé é nele!

Aspone disse...

foi apenas uma pequena confusão!