quarta-feira, 10 de junho de 2009

.De dor de palavras na cabeça.

Quer saber o que se tem? Algo desalinhado, destrilhado, correndo solto sem paradeiro. E por que há de alguém esperar situação no mundo? Antes deixar seguir rumo, balançar as folhas, percorrer trecho. O que se projeta, com dificuldade se materializa. Não haveria de projetar então, imaginar longe. Pelo sentido de bom resultado conferido alegre diante da surpresa. A vida como um espetáculo descuidado da gente, mascarada. Carente de emoções vividas mais do que qualquer outra coisa.


LG

10 comentários:

Rafa disse...

É o que eu digo sempre, Guimarães dá efeitos colaterais, ta lindo guria!

Anônimo disse...

Quer saber o que penso disso, penso que és uma garota mimada que muito tempo tem de sobra, acaba ficando desse jeito poéticazinha, metidazianha a escritora, queria ver se precisasse trabalhar, dúvido que continuaria esse tititi.

Lg. disse...

Verdade! Queria ver se precisasse trabalhar, agora penso que poderíamos procurar trabalho juntas, já que eu fico escrevendo de tititi e você comentando, não tem mais nada para fazer?

Anônimo disse...

Tenho sim imbecil!

Lg. disse...

Patético!

Felipe disse...

Minha nossa, gostei muito lu, não dá pra ver muita diferença mesmo nas frases do Rosa e nesse seu trecho, acho que andas lendo por demais, acima de tudo acho que o efeito está maravilhoso. Amo.

Cintia de Faria disse...

Lu, eu amo seus tititis, por favor continue !


E senhor ou senhora anônimo, a inveja brota do teu post. Se não "tens" o dom da escrita, ainda pode aprende-lo. Trabalho não é justificava para ignorância.

Anônimo disse...

um pega no cachorro e um tiro no sabiá!

Fernanda disse...

Lu, demais mesmo, e uma pergunta para o anônimo, o que significa metidazianha?
Procurei no dicionário mas não encontrei, beijos.

suelen folego disse...

Fabuloso!