segunda-feira, 26 de fevereiro de 2007

Estranheza.

Ela parou. Andou. Parou de novo. Eu olhei, achei cômico. Ela resolveu andar mais alguns passos, parou. Estava eu com vontade de perguntar porque suas pernas copiavam os ébrios. Nada ali dizia-me respeito. Fiz então que olhava as nuvens enquanto o sorvete derretia sobre a mão. Quando voltei o olhar para ela vi que corria. Nossa, confusa não? Agora corria em círculos grandes que aos poucos se fechavam e fazia dela um miolo. Não agüentei. Fui para perto daquele miolo desconexo que só fazia respirar descompassado por função da maratona que percorreu. Sorvete? Ofereci como método para iniciar um diálogo. Não! Disse me olhando como se fosse eu uma pessoa sem os braços e com o nariz no lugar da boca. Calma lá, se alguém ali almeja o título de insano não existe criatura mais merecedora do que o casulo sem ar. Andou. Parou logo na minha frente. Quando dei indícios que exclamaria uma frase ela andou. Fiquei colérica. Vá à merda com sua esquisitice.

luana Foto:
Geoffroy Demarquet

4 comentários:

Anônimo disse...

Estranho seria...

Um cego dizer: vc eh bonita!
Um pássaro cantar de noite.
Um homem dizer q te ama sem nem ao menos dizer q te adora (ou adorou).
Estranho seria se o mundo fosse diferente.
Se cada um olhasse e andasse apenas pra frente.
E nessa estranheza q vc vê, oq marca nem eh a diferença. Indiferença sim, essa retarda qlqer cristão.
Agora me diga, oq te aflige?

Luana Garcia disse...

Será que algo me aflige. estou agora atrás do por que e desse "algo"!

Marcão disse...

A beleza das coisas está na diferença?? Que diferença? Diferença nasce da comparação e comparação sugere que cada um de nós é igual ao outro, salvo pelas diferenças. Creio que somos únicos. E isso supões isenção de comparações....de diferenciações, segmentações, nada disso....quebrar paradigmas e convenções é ímpar, e cada um de nós é ímpar...mesmo os grupos empáticos são ímpares em cada um de seus membros.
Adoro vc por ser mais única que a maioria...

Racks disse...

Ela me intriga...