sexta-feira, 31 de agosto de 2007

Será que ela mexe o chocalho ou o chocalho é que mexe com ela

O povo é que é sempre o sacrificado. Enquanto o condutor corria o guarda começou a apitar, que o bonde tinha parado no meio da luz verde aberta para os carros em direção contrária; parecia o dia de juízo, o bonde parado, os automóveis buzinando, o guarda apitando e sacudindo os braços, o pessoal do bonde rindo que era ver uns demônios. Afinal o bonde partiu, e que isso tudo acontecia porque o Governo promete mas não cumpre o dispositivo constitucional — sim, meus senhores, constitucional! — da mudança da capital da República. Imagine que delícia o Rio ficar livre de toda a laia dos burocratas, pelo menos um milhão de pessoas iria embora, e que maravilha o Rio com um milhão de vagas nos transportes, um milhão de vagas nas residências, um milhão de bocas a menos, para comer o nosso mísero abastecimento!
E aí o bonde inteiro aplaudiu, cada qual só pensava na vaga a seu lado. E, se aquele bonde fosse maior, talvez nesse dia, no Rio de Janeiro, houvesse uma revolução.

3 comentários:

Anônimo disse...

Era trabalhador, pegava o trem lotado, tinha boa vizinhaça, era considerado, ... se reuniu com a galera , pegou o bonde lotado, os seu olhos brilhavam

Sociopata disse...

Ela era mais uma em um bonde lotado, que me olhou com cara torta e disse: "não, eu desço logo". Não teve um: "não, obrigado filha, já tô descendo.

Doce disse...

e de casas lotadas, ruas congestionadas, gente gritando, apitando, rindo e sinalizando estamos fartos até a tampa.
O tempo passa mas tem muita coisa que nao muda....
1º protestoo hehe