quarta-feira, 4 de setembro de 2013

.Escuta-me bem.



Todos nós necessitamos sofrer certo número de preocupações, de penas e misérias, da mesma maneira que um barco tem necessidade de lastro para conservar seu equilíbrio.

Colhi ramas floridas e pitangas, salvei da morte certo passarinho pelado, filhote despencado de uma árvore de flores amarelas, subi ao tronco e coloquei-o novamente no seu ninho, demorei-me no atalho de formigas e ajudei uma gorda ruivosa a carregar sua folha segurando de leve a ponta esverdeada, ai, deve ter pensado a pobrezinha que por um tempo a folha fez-se leve, e não continuei muito tempo a ajudá-la porque pensei quanto mais leve agora, depois no seguir do caminho e sem mim, ai, muito mais pesada.
Tu não te moves de Ti.

Um comentário:

Mr. Anderson disse...

Luana, me sinto compelido a dizer que te amo. Amo o jeito como você escreve e a imagem da pessoa que criei no meu imaginário.
Admiro sua escrita e a sua paixão por ela, seu dom é belo e suave.
E quando digo que te amo, é quase genuinamente, em um sentido literário, um amor egoísta, por que imagino você como se fosse eu em um outra vida.
Tenho certeza que você tem um futuro brilhante pela frente e msmo que o no trajeto haja turbulência, sua luz te trará paz.

Talvez seja porque eu não te conheça pessoalmente, mas eu definitivamente te amo.