quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Então é hora de falar da farsa?



Respondendo a demandas alheias. Farsa, como tudo aquilo que camufla a verdade. Teria descoberto que eu não comprei uma bicicleta? Ou que até tenho pensado em fazer, mas o tempo, aquele que nos esmaga, tem vencido essa batalha. Pelo menos tenho um leitor atento, então a farsa se sustenta e se justifica. Estamos com problemas metodológicos? Resolveria discursar sobre a hermenêutica em profundidade e Heidegger, aquele cretino, que só nos confunde a cabeça? Poeta, romancista, filósofo, quantas pessoas vazias, com definições tolas e imitações baratas de leituras parciais da vida, que corre lá fora e que se permitem morrer sem ver, só escrevendo, na torre encantada. Ideias, estilo, expressão, compreensão, serve pra quem? Que grande farsa. Que bestializados geniais. Quantos calhordas encantados. Pois, enquanto estamos tentando roubar o lugar de algum deles, é legítimo que os desqualifiquemos. Farsantes! Beatas, carolas, papa-missas. No plural para não ser cópia fiel de Machado. 

Quanta vida humana,
quanta natureza lá fora,
quanto pó e traça aqui dentro.
Que lógica espantosa essa da farsa.  
Que crescente descontrole poético, sem espasmos.
Que violento esforço para superar a beleza da verdade lá fora.
LG

19 comentários:

Anônimo disse...

Quem será você de fato... Luana?

Lg. disse...

Se você conseguir responder quem é você, de fato. Ou se identificar, no mínimo. Talvez eu consiga me esforçar para buscar uma resposta.

Anônimo disse...

Você sabe quem eu sou! O anônimo que gosta do não dito das reticências...

Lg. disse...

Você tem mais pistas sobre "quem sou eu" do que eu sobre "quem é você". E também tem um problema contraditório, se você gosta do não dito das reticências, se eu tentar demonstrar quem sou eu, o que eu não faço a mínima ideia, você me julgaria por ter esmagado as entrelinhas. Compreende?

Anônimo disse...

Claro! Nunca esperei que você tentasse responder... mas sobre eu ter mais pistas sobre "quem é você" do que você sobre "quem sou eu", tenho que discordar veementemente.

Cada linha tua só me intriga mais sobre a verdade que você camuflou...

Lg. disse...

Não sei se esse movimento é premeditado, camuflar uma verdade ou não. Acho que ser premeditado é um problema. Do contrário todos acabam se perdendo, ou se camuflando, nessa ou em outra situação. Vou ter que voltar ao texto sobre a farsa, e não encontro. Quem eu acho que é não gosta de aspas, fico em situação complicada.

Anônimo disse...

Desconfiava não ser uma estratégia planejada e talvez isso torne essa ida-vinda/farsa-verdade tão complexa.

Tranquilize-se! Não sou alguém imaginável...

Anônimo disse...

Esse é apenas pra me despedir... a academia também possui outros satélites.

Lg. disse...

Vou ficar com o complexa, acho interessante. Prefiro não falar da academia, ando brigada. O jeito é mergulhar na tensão diuturnamente.
"Debaixo d'água se formando como um feto
Sereno, confortável, amado, completo
Sem chão, sem teto, sem contato com o ar
Mas tinha que respirar
Todo dia"

AlterEgo disse...

Inimaginável é o que você quer ser. Mas é sempre esse dualismo, não é mesmo? Digo pros outros que sou algo que não sou e digo dos outros que eles são algo que eu acho que são. Eu conheço você. Até eu, das bandas recifenses, sei quem você é. Nesse insolúvel dualismo, somos todos farsa.

Anônimo disse...

Essa bola, de sermos todos farsas, já tinha cantado antes...

Lg. disse...

Me lembro disso, a pergunta aqui era quem sou eu. Era mais pontual. Voltou?

Lg. disse...

Pode me falar seu nome? Posso não aceitar o comentário, negociamos em off. Faz parte da farsa.

Anônimo disse...

Mais pontual.

Sempre girará em torno de "quem é você"!!
No entanto, até aqui existe um "insolúvel dualismo"... ao te pensar... me penso.

Lg. disse...

Estamos mais ligadas do que eu imaginava, claro. Ainda aguardo um traço mínimo de identificação.

Lg. disse...

Então podemos brincade de quebra-cabeça? Começando por um: já conversamos pessoalmente?

Anônimo disse...

hahahahahahahaha
podemos brincar de quebra-cabeça.
Até onde eu me sentir confortável sobre minha identidade, ao desconfiar que você poderá descobrir "quem eu sou" não responderei mais.

Nós nos conhecemos pessoalmente, mas nunca conversamos... no entanto eu posso estar enganado... você se tornou interessante pra mim apenas recentemente...

Já avisei, minha identidade não será revelada... o encanto disso tudo se dissipará, você não vê??

Anônimo disse...

Infelizmente, agora os compromissos se tornam inadiáveis... Me vou

Lg. disse...

Adorei a brincadeira, game over quando alguém chegar perto da verdade, que tal apelidarmos o Jogo da Farsa? Ou uma edição 2.0 do campo minado? Acho interessante as duas. As regras do jogo: apenas perguntas genêricas, que uma grande amostragem poderia dar a mesma resposta. Cada jogador pode fazer de 1 a 3 perguntas no mesmo comentário, sendo que uma sempre terá que ser respondida, então, se fizer apenas uma, sempre terá a resposta, e se fizer mais, a pessoa pode escolher a que vai responder ou responder as duas. Ai que delícia. Estou empolgada. Até logo. 1. Homem ou mulher?