terça-feira, 20 de março de 2007

A impiedade do raciocínio.


Estou pensando num olhar profundo
Que me revelou uma doce e estranha presença,
Estou pensando no pensamento das pedras das estradas sem fim
Pela qual pés de todas as raças, com todas as dores e alegrias
Não sentiram o seu mistério impenetrável,
Meu pensamento está nos corpos apodrecidos durante as batalhas
Sem a companhia de um silêncio e de uma oração,
Nas crianças abandonadas e cegas para a alegria de brincar,
Nas mulheres que correm mundo
Distribuindo o sexo desligadas do pensamento de amor...

6 comentários:

Anônimo disse...

Já li muitas coisas dela, essa autora é ótima!

juju disse...

Você sempre escolhendo coisas boas né!

Anônimo disse...

bom. . .

Anônimo disse...

po... noiado com várias coisas, e bem qnd eu achei q não tinha como piorar, tudo caiu por terra.
Sonhei com vc essa noite, sonho ruim. Escolha bem suas companhias!

Luana Garcia disse...

Ai

Agente social 20 disse...

Traquéia Solitária

Na vida em tudo se pensa
O tempo que é cinza na tempestade,
a alma fugídia na leviandade,
que o caráter ético ostenta.

Pelos engenhos do amor e tento
E suporto todos os ímpios tormentos
A eterna ferida que não fecha,
Sua distância persiste e me testa.

Os deveres austeros da puberdade
tentadores desvios da sobreidade
onde a eterna descrença se senta

Com a algema da liberdade opulenta
onde as mãos traiçoeiras sedentas
implicam em nos furtar a festa.